Category Archives: nyc

Férias em NYC – Day 10

Chegamos ao último dia em NYC. Última manhã de passeio porque depois do almoço ficamos no apartamento ajeitando tudo para nossa partida.

Uma manhã fria e nublada. Fomos até o Chelsea Market para começar o dia. Imaginei que ele seria um dos lugares preferidos do Felipe, mas no fim achamos meio sem graça. De lá seguimos para o High Line Park, outro lugar que achamos meio decepcionante. Talvez fosse o cansaço depois de 10 dias longe de casa, talvez a sensação de término da viagem, mas esse foi o dia mais sem graça.

IMG_0818 IMG_0819 IMG_0820 IMG_9578 IMG_9581

Resolvemos dar uma última passada na Disney Store para nos animarmos um pouco. Eu, pelo menos, ficava muito animada naquela loja, rs.

IMG_9582 IMG_9583 IMG_9585

Compramos mais uma ou duas lembrancinhas, passamos na loja da Hershey’s para comprar chocolates. De volta ao apartamento, os preparativos finais para a volta: ajeitar as malas, tomar banho, trocar de roupa, conferir os documentos…

IMG_9588

Descemos a escadaria do apartamento com nossas poucas malas, deixamos a chave na caixa de correio como o rapaz havia pedido no primeiro dia e saímos a procura de um táxi. Fomos até a Delancey Street porque achamos que as chances de encontrar um táxi seriam maiores em uma rua mais movimentada.

Demorou, embora não muito, para aparecer o primeiro táxi. Chamamos, ele estava encostando quando veio outro e encostou também. Não fizemos nada, os dois taxistas decidiram quem iria nos levar… Entramos e fomos para o aeroporto. Nossa primeira e última viagem em um dos tradicionais táxis amarelos de NYC 🙂

O caminho foi longo, mas tínhamos a televisão para prestar atenção. Foi ali que descobri, por exemplo, que a estátua da liberdade tinha sido fechada naquela manhã por suspeita de bomba. Fiquei imaginando se seria emocionante ou assustador estar lá naquele momento :-0

A espera no aeroporto foi longa porque chegamos muito cedo. Passeamos, compramos o ‘Shopaholic to the stars’ para mim, comemos uma pizza, conversamos, o Felipe fez amizade com uma menininha e com a mãe dela (na verdade, o Nemo do Otávio foi quem conquistou a menina), conversamos mais um pouco e enfim chegou a hora do embarque.

IMG_0823

O que tenho a dizer sobre a viagem de volta é basicamente o mesmo da viagem de ida: a viagem parece eterna. Assistimos dois filmes (Uma noite no museu 3 e De volta ao jogo) comemos, dormimos, acordamos, conversamos, dormimos novamente e enfim chegamos… a São Paulo.

Foram mais algumas horas de espera no aeroporto de Guarulhos. Almoçamos um sanduíche do Mc, pagamos R$5,00 em uma água e esperamos até a hora do vôo para Curitiba.

Assim nossa aventura chegou ao fim. E sabem qual a melhor parte?

Essa daqui:

IMG_0824

Advertisements

Férias em NYC – Day 09

Lembram que eu comentei, lá no terceiro dia, que voltaríamos no Charging Bull para tirar a tradicional foto? Pois bem, foi assim que começou nosso penúltimo dia de viagem.

Tomamos nosso café da manhã na mesma Starbucks do terceiro dia e refizemos o caminho do Wall Street Walks até chegar no touro.

O lugar estava bem mais vazio que da outra vez. Provavelmente porque a primeira visita foi feita num sábado à tarde, essa segunda, em uma quinta de manhã cedo 🙂

Tiramos fotos com o touro, mais algumas fotos ali por perto e seguimos para a Brooklyn Bridge.

IMG_0746 IMG_0747 IMG_9566IMG_0756 IMG_0760 IMG_0764 IMG_0765  IMG_9567

Eu, que não sou muito chegada em andar sobre pontes, fiquei com um pouco de medo. Mas nada que atrapalhasse o passeio, rs.

Atravessamos a ponte com várias paradas para fotos e o Felipe quase foi atropelado por mais de um ciclista.

IMG_0768 IMG_0770 IMG_0772 IMG_0774 IMG_0775 IMG_0779 IMG_0782 IMG_0785 IMG_0788 IMG_0789 IMG_0795 IMG_0798

Descemos da ponte e caminhamos até a estação de metrô mais próxima (ou que achamos ser a mais próxima) para voltar a Manhattan. Descemos na W 4 Street e começamos nossa caminhada pelo bairro de Greenvich Village com um mapa da internet em mãos.

A primeira parada foi em frente ao Stonewall Inn. Eu também não fazia ideia de porque o mapa sugeriu a parada ali, mas olha aí o resultado da pesquisa na Wikipédia:

“A Rebelião de Stonewall  foi um conjunto de episódios de conflito violento entre gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros e a polícia de Nova Iorque que se iniciaram com uma carga policial em 28 de Junho de 1969 e duraram vários dias. Teve lugar no bar Stonewall Inn e nas ruas vizinhas, e é largamente reconhecida como o conjunto de eventos catalisadores dos modernos movimentos em defesa dos direitos civis LGBT. Stonewall foi um marco por ter sido a primeira vez em que um grande número de pessoas LGBT se juntou para resistir aos maus tratos da polícia contra a comunidade.”

IMG_0800

Na próxima esquina, encontramos a Big Gay Ice Cream Shop, que não estava no mapa, mas que eu achei o máximo, rs. Não paramos porque o espaço do doce da manhã estava reservado para a Magnólia Bakery.

IMG_0801

E foi para lá que seguimos, subindo a Bleecker Street. Quase não achamos a confeitaria, estávamos esperando algo bem maior… Entramos, eu pedi um cupcake e o Felipe um cheesecake de red velvet. Acho que ele diria que o cheesecake também está na categoria “melhores doces do mundo”.

Pegamos os doces e fomos comer um uma pracinha do outro lado da rua. Nem bem sentamos em uma mesinha de pedra e já estávamos cercados de passarinhos e uma ou duas pombas.

IMG_0807 IMG_9569

Depois de comer, continuamos nossa caminhada pelo bairro a procura do prédio do Friends 🙂

IMG_0809

De lá, seguimos para o Washington Square Park. Sentamos em um banco e ficamos ali por um tempo.

IMG_9570 IMG_9571 IMG_9572

A fome começou a bater e resolvemos pensar no almoço. Lembramos da recomendação do assistente da fotógrafa sobre um lugar onde poderíamos comer um “traditional Philly cheesestake”: o 99 Miles do Philly. Nos perdemos e já estávamos quase desistindo quando encontramos uma Starbucks e “emprestamos” o sinal do wifi para consultar o mapa. Estávamos a uma quadra do restaurante apenas!

Um lugar pequeno, como a maioria dos lugares que frequentamos para comer, mas um sanduíche realmente muito bom. Só faltou um banheiro, saí de lá precisando muito fazer xixi :-0

Seguimos em direção ao Flatiron District. Queríamos voltar no Eataly e comprar uma mala em uma loja ali por perto.

Parecia que não íamos chegar nunca e a essa altura a vontade de fazer xixi estava dominando meus pensamentos. Entramos em uma Babies “R” Us na certeza de que ali encontraríamos um banheiro – e por sorte estávamos certos. Demos uma volta pela loja, mas não achamos nada com o preço em conta para trazer para o Otávio.

Ainda no caminho, passamos em uma Barnes & Noble para dar uma olhada em mais livros, mas dessa vez esquecemos de tirar foto 😦

Chegamos ao Eataly e passamos algum tempo andando lá dentro. Mais pelo Felipe que gosta desse tipo de “mercado”. Também não compramos nada porque né, o dólar estava mais de R$ 3,20 quando compramos.

De lá fomos para a loja da mala que não me lembro mais o nome. Escolhemos uma mala grande para colocar tudo o que compramos em NYC. Ok, mentira, escolhemos uma mala grande porque não valia a pena comprar uma pequena, mas ela não ficou muito cheia não, rs.

Voltamos para o apartamento para descansar um pouco de toda nossa andança.

Saímos mais uma vez no final da tarde e fomos para a Apple Store da Grand Central Station (coisas do Felipe novamente). Compramos algumas coisas no Grand Central Market e decidimos pegar sanduíches no Shake Shack para o jantar.

Pensamos em comer por ali, mas estava muito cheio e não tinha lugar para sentar. Resolvemos pegar a comida e levar para o apartamento.

O sanduíche estava bem gostoso. Bom, o meu estava, o do Felipe estava tão apimentado que ele quase morreu :-0

Depois de comer, ajeitamo-nos para aquela que seria nossa última noite de sono em NYC.

Férias em NYC – Day 08

Começamos o dia com uma visita ao Lincoln Center. Ok, na verdade começamos o dia passando em frente ao Lincoln Center. Chegamos a pensar um fazer um tour guiado, mas as avaliações do Trip Advisor nos desanimaram.

Descemos do metrô na Columbus Cirlce, tiramos algumas fotos em frente ao Lincoln Center e resolvemos atravessar o Central Park para chegar ao Guggenheim.

IMG_0665 IMG_9558IMG_0668 IMG_0670 IMG_0671 IMG_0672

Na passagem pelo Central Park, demos uma paradinha para ouvir o hippie cantor no Strawberry Fields e tiramos mais algumas fotos na Bethesda Fountain.

IMG_0674 IMG_0676 IMG_0679

Chegamos ao Guggenheim pouco depois das 11h e saímos em menos de uma hora. “Isso quer dizer que não gostaram do museu?”, perguntam meus queridos leitores. “Sim, isso quer dizer que não gostamos”, respondo eu. O museu não tem tamanho, estrutura ou obras interessantes. Rodamos por ele sem muito interesse, chegamos ao topo, tiramos uma foto sem saber que não poderíamos tirar fotos e descemos. Ta aí um passeio que eu não faria pela segunda vez (em todos os outros museus eu voltaria, até no MoMA. Aliás, com certeza voltaria no MoMA, principalmente para comprar mais uma caixa de giz de cera de animais para o Otávio).

IMG_0686 IMG_0688 IMG_0689

Saímos do Guggenheim com aquela sensação ruim de tempo perdido. Fomos caminhando até o Central Park Zoo e recusamos algumas ofertas de passeio de carruagem pelo parque, inclusive a de um brasileiro.

O Central Park Zoo também era um dos passeios muito esperados. No fim, nos decepcionamos um pouco. Vocês sabiam que eles não tem um leão? Pois é. Tudo bem eles não terem o Alex, a Glória, o Melman e o Marty, mas nem um leão genérico? Todo zoológico deveria ter um leão! 😮

Bom, pelo menos eles tem pingüins! E ursos! Ursos são legais 🙂

IMG_0698 IMG_0699 IMG_0702 IMG_0704 IMG_0711 IMG_0712 IMG_0713 IMG_0721 IMG_0722

Saímos do Zoo cansados e com fome. Seguimos em direção à Times Square, a ideia era comer alguma coisa e comprar alguns presentes na Disney Store e M&M’s Store.

Paramos no Hard Rock Café para unir o útil ao agradável: matar a fome e eliminar mais um dos lugares da nossa lista.

IMG_0725

O lugar estava vazio! Ficamos sozinhos nas mesas do salão por um bom tempo. Depois mais algumas pessoas foram chegando, inclusive uma família de brasileiros. O atendimento foi bom, mas poderia ter sido melhor. A garçonete da mesa ao lado, por exemplo, era bem mais animada e enturmada que nosso garçom (se bem que a nossa conta veio com um “muito obrigado”).

Dividimos um prato de costelinhas de porco ao molho barbecue e comemos um dos melhores doces do mundo: o Cheesecake de Oreo. Sério, vou repetir: um-dos-me-lho-res-do-ces-do-mun-do, o Cheesecake de Oreo.

Saindo do Hard Rock, fomos às compras de presentes e lembrancinhas para a família. A vontade era de comprar muita coisa, mas o orçamento não deixou. Andamos pelas lojas, compramos algumas coisas e voltamos para casa para trocar de roupa.

À noite, aquele que considero o melhor momento de NYC: assistimos The Lion King na Broadway.

O show foi incrível! Mesmo o Felipe, que odeia qualquer musical, adorou. O cenário é muito bem montado, as fantasias são lindas, os atores são maravilhosos.

Quando formos escolher, eu pensei em ver Chicago, mas acho que experiência não teria sido a mesma. O gostinho de infância que só O rei leão teria deu o toque final 🙂

Pena que não são permitidas fotos e vídeos, eu adoraria rever um pedacinho que fosse!

IMG_0737 IMG_0741 IMG_9563

Saímos do musical e já passava das 22h. Eu, medrosa, queria pegar um táxi. Na verdade, estava com medo de pegar o metrô, mas também estava com um pouco de medo de pegar um táxi (sim, eu sou a pessoa mais medrosa do mundo!). Na dúvida do que fazer, resolvemos perguntar a um policial que estava por ali se era seguro pegar o metrô até o Lower East Side naquele horário. A resposta? “É seguro. Nós estamos em todos os lugares”. E já que estavam (embora eu não tenha visto nenhum policial no bairro em que ficamos), pegamos o metrô e fomos pra casa 🙂

Uma coisa é fato: uma vez no metrô, o medo que eu tinha passou completamente. Não sei se demos sorte ou se andar por NYC é sempre tranqüilo assim, mas não tenho nada a reclamar no quesito segurança. Mesmo nas andanças pela rua eu estava sempre de olho na mochila que ficava com o Felipe, mas mais tranqüilo de andar impossível!

Já em casa, atualizamos a família no roteiro do dia e fomos dormir.

Férias em NYC – Day 07

O dia amanheceu um pouco estranho: tempo nublado com cara de “daqui a pouco chove”, um sol tímido entre as nuvens e um friozinho básico. Saímos encasacados e de guarda-chuva na mão. Foi um erro, mas só percebemos quando era tarde demais. Os casacos foram parar na mochila, que ficou muito pesada, e o guarda-chuva virou um estorvo.

Nosso roteiro do dia começou no Brooklyn: descemos do metrô perto da Grand Army Plaza, que fica em frente à entrada principal do Prospect Park (pelo menos eu acho que era a principal). Contornamos o parque pelo lado de fora, procurando a entrada do Brooklyn Botanic Garden. Demorou um pouco porque a entrada que tínhamos em mente (com base nas nossas consultas prévias no mapa) estava em reforma. Mas não nos perdemos: o caminho entre a entrada em reforma e a entrada aberta estava cheio de placas informando a mudança.

As árvores da Magnólia Plaza, perto da entrada, estavam lindas e floridas. Andamos um pouco, passamos pela “treehouse”, desviamos de um grupo gigante de crianças e de alguns grupos não tão grandes de japoneses e chegamos até à Cherry Esplanade, que poderia ser uma das paisagens mais bonitas da viagem. Mas erramos por duas semanas: segundo minhas pesquisas posteriores, as árvores ficam floridas na segunda quinzena de abril e nós estávamos na primeira 😦

IMG_0603 IMG_0599 IMG_9531 IMG_0596 IMG_9529 IMG_0590 IMG_0589 IMG_9524 IMG_0587

Imaginem, portanto, as fotos abaixo da direita e da esquerda com o fundo da foto do meio:

IMG_0593 MG_0338 IMG_0591

Estava rolando algum evento cultural japonês no parque, com direito a tambores e televisão. Chegamos mais perto para ouvir, mas bem na hora os tambores fizeram uma pausa. O Felipe queria ficar, mas precisávamos ainda atravessar a cidade para chegar ao nosso próximo destino, por isso não podíamos esperar muito. Saímos do jardim botânico, voltamos pelo mesmo caminho da ida, contornando o Prospect Park por fora, passamos pela entrada da Brooklyn Public Library e seguimos para a estação de metrô. Próxima parada: Yankee Stadium.

A viagem de metrô do Brooklyn ao Bronx, onde fica o estádio, foi de uma vida. Conforme íamos subindo, as estações ficavam menos limpas e bem cuidadas. A estação no Harlem, onde paramos para trocar a linha do metrô, estava um nojo: muito, mas muito mesmo, lixo nos trilhos. Chegamos ao nosso local de destino pouco depois do meio-dia. Fizemos um tour guiado pelo estádio, com direito a muitas fotos.

Quando começamos a planejar a viagem, a ideia era assistir a um jogo dos Yankees, mas as datas dos jogos não bateram com o período da nossa estadia em NYC. Quem sabe na próxima 🙂

IMG_0610 IMG_0639 IMG_0635 IMG_9553 IMG_0629 IMG_0626 IMG_0623 IMG_9549 IMG_0620 IMG_0619 IMG_0616 IMG_0615 IMG_0612

Saindo do estádio, ficamos sem saber o que fazer por um tempo. Pegamos o metrô de volta e descemos perto do Central Park. A princípio, pensamos em passar no Central Park Zoo, mas ficamos com medo de não dar tempo.

Explico: tínhamos uma sessão de fotos marcadas com o pessoal do I Heart New York, no final da tarde, no Flatiron District. Como ainda queríamos passar no apartamento, tomar banho e trocar de roupa (para ficar bem na foto, rs), achamos melhor prucurar um lugar para comer e adiamos a visita ao Zoo.

Almoçamos em uma rede de fast food com comida mexicana: Chipotle. O Felipe arriscou um burrito, eu arrisquei os tacos. A comida estava muito boa, mas a atendente falava tão rápido que quase não acerto o pedido. Faltou um pouco de paciência com a turista “lerda” aqui…

Voltamos para o apartamento, descansamos alguns minutos, tomamos o banho planejado, trocamos as roupas, nos livramos da mochila pesada (com os casacos dentro) e do guarda-chuva inútil e saímos novamente.

Descemos na 23rd Street, bem perto do Flatiron Building. Para matar tempo, entramos na Lego Store que fica na esquina da 5th Av. com a 23rd Street. Achei a loja bem mais legal que a do Rockfeller Center. Enrolamos um tempo por ali, compramos algumas besteirinhas e fomos ao café no qual havíamos marcado com a Karen, nossa fotógrafa.

IMG_0659 IMG_0657 IMG_0651 IMG_0648 IMG_0646 IMG_0645

As próximas horas foram dedicadas à sessão de fotos. Confesso que no começo fiquei em dúvida sobre o local escolhido, eu queria fotos em um lugar mais ‘famoso’ como o Central Park ou a Times Square, mas depois que vi o resultado mudei de ideia.

A Karen foi super simpática e divertida e as fotos ficaram lindas!

021_IMG_3190_021 019_IMG_3417_019 018_IMG_3397_018 016_IMG_3384_016 017_IMG_3393_017 015_IMG_3378_015 014_IMG_3371_014 011_IMG_3352_011 013_IMG_3362_013 012_IMG_3358_012 010_IMG_3332_010 007_IMG_3296_007 009_IMG_3313_009 001_IMG_3219_001 008_IMG_3303_008 006_IMG_3285_006 005_IMG_3276_005 004_IMG_3252_004 003_IMG_3243_003 002_IMG_3223_002

Depois das fotos, ficamos por ali para o jantar: tínhamos uma reserva no La Birrerria, do Eataly. O jantar mais chique de todos, sem dúvida (o que não foi difícil considerando que, na maioria dos dias, comemos sanduíches).

Chegamos em casa não muito tarde, mas com muito frio outra vez. E assim chegamos ao fim de mais um dia de viagem.

Férias em NYC – Day 06

O dia amanheceu chuvoso e nós aproveitamos para ficar um tempo a mais na cama, embaixo das cobertas. Na verdade, eu acordei mais ou menos cedo, só não tive coragem de levantar. O Felipe ficou dormindo por um bom tempo ainda.

Como já sabíamos da chuva (e não é que o aplicativo de previsão do tempo não nos deixou na mão), planejamos o dia com locais fechados: MoMA, Guggenheim e visita à ONU (que já estava agendada). Antes de chegar ao metrô, no entanto, tivemos que fazer uma parada básica: loja de R$1,99 (ou algo do tipo, rs) ao lado de casa para comprar um guarda-chuva. Compramos um daqueles guarda-chuvas enormes, com duas camadas e saímos para nossa aventura do dia.

O café da manhã do dia foi o mais americano de todos: croissant com ovo, bacon e queijo :-0

A fila do MoMA estava enorme, do lado de fora do museu, com as pessoas na chuva. Achamos meio estranho e resolvemos entrar sem passar pela fila para “averiguar o local”. Por sorte, a fila do The NY Pass não era tão grande, embora também não fosse muito pequena. Pior que ela, só a fila para guardar as mochilas e o guarda-chuva gigante.

A vontade de ir ao MoMA não era muito grande e a fila nos desanimou. Mandei uma mensagem para o povo do trabalho perguntando se valia a pena esperar e as respostas foram “para mim, vale”, do Maurício e “já que está na chuva é para se molhar” do Mozar (ou algo do tipo porque já limpei as conversas do grupo então não posso consultar o histórico dessa vez). No fim, decidimos ficar, até porque, com a chuva, não teríamos muito que fazer do lado de fora.

No último andar do museu estava rolando uma exposição de arquitetura latino-americana que eu achei bem legal. De resto, maluquices de arte moderna que não fazem muito sentido para que não entende nada de arte como eu e o Felipe (eu sei, “shame on us”). Não ficamos seis nem mesmo quatro horas no museu, mas acho que demos conta de passar por todas as alas.

IMG_0522 IMG_0525 IMG_0530 IMG_0531 IMG_0533 IMG_0534 IMG_0535 IMG_0536 IMG_0543 IMG_9480 IMG_9482 IMG_9486 IMG_9492 IMG_9494 IMG_9495 IMG_9497

Saímos do museu e, como tínhamos ainda um bom tempo antes da visita agendada na ONU, resolvemos passar pela NY Public Library, o melhor lugar para se esconder em caso de queda de temperatura a ponto de congelar todo o hemisfério norte. Entramos, tiramos algumas fotos no hall de entrada, demos uma volta pelas salas de leitura e saímos.

IMG_0546 IMG_0548 IMG_0550 IMG_9501 IMG_9502 IMG_9504

Já estava quase na hora do nosso tour agendado pela ONU, por isso pulamos o almoço e passamos em uma farmácia para comprar salgadinhos e bebidas. Comemos um pacote de ruffles e outro de doritos a caminho do prédio da ONU, com certeza o melhor almoço em NYC (#sqn).

Achamos a coisa toda meio desorganizada: a atendente do balcão passou um bom tempo de papo com uma amiga e nem percebeu que a fila estava se formando do lado errado. No fim, quando ela finalmente resolveu parar de conversar, a coisa já estava meio confusa. Ela nos pediu para aguardar um pouco antes de voltar para pegar o ingresso, já que nosso tour ainda não era o próximo. Claro que o Felipe já não ficou muito feliz nessa hora :-0

Nosso tour foi feito com uma gaúcha, Patrícia. Ela foi uma boa guia, mas teria sido um pouco melhor se não estivesse tão preocupada com um amigo que estava para chegar. Tudo bem, como eu disse, ela foi uma boa guia. Explicou o funcionamento da ONU, nos mostrou, entre outros, a sala do conselho e a assembléia geral. No fim, foi uma visita bem legal, eu recomendo para quem for a NYC!

IMG_0552 IMG_0553 IMG_0555 IMG_0560 IMG_0567 IMG_0569 IMG_0573 IMG_0574 IMG_0576 IMG_0577 IMG_0578 IMG_9507

Saímos da ONU pouco depois das 17h, pegamos o metro e fomos até a Strand Bookstore porque eu queria passear em uma livraria pelo menos. Andamos um pouco por lá, comprei a capinha de celular que não deu certo (ou minha Bíblia, como queiram) e resolvemos passar no Porchetta para pegar um sanduíche antes de voltar pra casa. Eu já não lembrava mais, mas por sorte o Porchetta fica em frente a Butter Lane! Pegamos uma caixinha com quatro dos melhores cupcakes do mundo e fomos para casa, jantar e comer doce 🙂

IMG_0584 IMG_9515 IMG_9516

Escrevendo esse post, fiquei com água na boca de lembrar dos cupcakes! Vou parar por aqui o relato (até porque o dia acabou mesmo) e vou achar algo doce pra comer (não vai matar a vontade de cupcakes da Butter Lane, mas pelo menos acalma as lombrigas).

blphotomenu-GOOD

Férias em NYC – Day 05

Um dos dias mais esperados da viagem: dia de visita ao Museu de História Natural.

Saímos de casa cedo, pegamos o metrô na Delancey Street, “nossa” estação de metrô, e descemos na 81 Street, a estação do Museu de História Natural. A estação tem as paredes de ladrilhos decoradas com motivos de animais e plantas que podem ser vistos no museu, muito legal 🙂

Chegamos um pouco antes das 10h, portanto, o museu ainda estava fechado. Tiramos algumas fotos da entrada principal e saímos em busca da “Starbucks nossa de cada dia”.

IMG_0409 IMG_0410 IMG_0413

Eu comprei, no segundo dia de viagem, um pacote de saltines para ter sempre à mão e elas viraram meu pré-café da manhã, ou seja, eu não saia de casa com fome. O Felipe, por outro lado, se recusava a comer a bolachinha salgada sem graça e estava sempre procurando uma Starbucks pela manhã. Estávamos andando pelo entorno do museu sem sucesso na busca quando começaram a aparecer pessoas com seus copos de café e chocolate quente da Starbucks pelas ruas. Aí foi só seguir o rastro deles que chegamos lá. Chocolate quente e wifi de graça tornaram-se nossa dupla preferida.

No caminho, passamos por um greenmarket que parecia legal, cheio de tendas, mas a pressa (ou seria a preguiça?) nos impediu de entrar.

Voltamos ao museu pouco depois de abrir, compramos ingressos para o show do Hayden Planetarium (que não fazia parte do pacote do The NY Pass) e entramos.

IMG_0414 IMG_0415

Começamos pelo salão de mamíferos africanos, seguindo para povos africanos, pássaros do mundo, México e América Central, povos sul-americanos, povos e mamíferos asiáticos. Descemos para o salão de mamíferos norte-americanos, passamos pelo salão da biodiversidade (o Felipe parou, eu só passei mesmo porque não queria ver aquelas aranhas de perto) e de lá seguimos para o salão da vida oceânica para ver a baleia azul.

Estava rolando alguma coisa na sala da baleia, várias crianças, algumas mesas e um rapaz falando sobre alguma coisa no microfone. Ele chegou a soltar uma ave no meio do salão, mas não posso dar maiores informações porque não prestei muita atenção 😁

IMG_0424 IMG_0425 IMG_9441 IMG_9444

A essa altura a fome já estava batendo, por isso descemos para a praça de alimentação do museu para almoçar. A comida não era lá essas coisas, mas deu para o gasto. Quando terminamos o almoço estava quase na hora da apresentação no planetário, por isso ficamos por ali mesmo. Passeamos pelo salão do universo, acho que um dos preferidos do Felipe. Andamos pelo salão do planeta terra e enfim entramos no planetário. A apresentação foi muito legal, embora tenha me deixado um pouco enjoada ficar olhando para cima com aquelas estrelas todas girando, hehe.

IMG_0433 IMG_0438 IMG_0439 IMG_0430

A parada no planetário proporcionou um breve descanso para as pernas e retomamos o ânimo para mais andança. Fomos para o último andar, para a ala dos dinossauros. Uma das partes mais divertidas do passeio com certeza. Tiramos a tradicional foto com o Rex, andamos em meio aos dinossauros e mamíferos primitivos e demos uma passadinha básica na Dino Store. A vontade era comprar tudo, mas nos controlamos e saímos de lá apenas com um dinossauro para o Otávio (carinhosamente chamado de “auo” por ele).

IMG_0445 IMG_0449 IMG_0450 IMG_0458 IMG_0459 IMG_0454

Saímos pelo andar superior dos mamíferos africanos, passamos pelos pássaros norte-americanos (sem graça), pelos primatas, pelos índios e povos do pacífico, demos a volta e chegamos aos repteis e anfíbios.

Pegamos o mapa do museu (que, caso não tenham percebido ainda é o que está me ajudando com essa narrativa) e percebemos que havíamos “pulado” um pedaço do museu: salão das origens do homem, salão dos meteoritos e salão dos minerais. Descemos até lá, tiramos foto da Lucy (o Felipe tirou, eu nem vi a Luci), passamos pelos meteoritos e minerais sem achar muita graça e saímos do museu.

IMG_0461 IMG_0463 IMG_0464 IMG_0475 IMG_9461

Foram quase seis horas andando pelo museu, então imaginem o cansaço dos dois.

Pegamos o metro na 81 Street de novo e descemos na estação do Bryant Park. Ficamos na fila para comprar um lanche no Le pain quotidien, mas quase na nossa vez o rapaz começou a avisar que estavam sem isso e sem aquilo (claro que não lembro mais o que). Desistimos da fila e voltamos para nossa boa e velha Starbucks. Compramos bebidas quentes e comida e fomos comer em uma das mesas do parque. A vista estava linda e o tempo tão gostoso que a vontade era ficar sentando no parque o resto do dia. Foi o que fizemos por um bom tempo, mas uma hora teríamos que sair de lá…

IMG_0484 IMG_0485 IMG_9466 IMG_9467 IMG_9468 IMG_9469 IMG_9470 IMG_9471 IMG_9472

Passamos em frente a New York Public Library, tiramos algumas fotos e seguimos para o nosso próximo destino: o Empire State Building. Em nosso cronograma inicial, a visita ao Empire State estava marcada para o dia seguinte (segunda-feira), mas, como vimos que a previsão era de chuva, achamos melhor garantir a visita. Compramos nossos ingressos, mas não entramos na hora. Dessa vez foi o Felipe quem escolheu o horário da volta: ele queria subir à noite.

IMG_0490 IMG_0491

Resolvemos matar tempo na Macy’s, segundo a definição do Felipe, “basicamente um shopping gigante feito para jogar na nossa cara que somos pobres”.

Voltamos ao Empire State e passamos muito frio. O vento lá em cima estava congelante, tanto que saímos, tiramos algumas fotos em cada lado do mirante e voltamos correndo para dentro.

IMG_0502 IMG_0503 IMG_0506 IMG_0509 IMG_0510 IMG_0512

Pensamos em ficar por ali e jantar, mas acabamos vencidos pelo cansaço e pelo comodismo: comemos sanduíches da Wendy’s que ficava em frente ao Empire State.

Voltamos para casa congelando e nos escondemos debaixo das cobertas.

Férias em NYC – Day 04

O quarto dia em NYC começou um pouco mais tarde: nosso primeiro compromisso era um Food on foot tour agendando para as 10h40.

Começamos o dia com um passeio no Grand Central Terminal. Não encontramos nenhum leão, zebra, girafa ou hipopótamo tentando fugir, mas ainda assim a passada valeu a pena. O terminal é lindo por dentro (não nos trilhos, rs), tem uma praça de alimentação legal e um mercado daqueles que o Felipe ama! O Grand Central Market tem de tudo: frutas, geleias de amendoim, chocolates, carnes, peixes, temperos, flores etc. Passeamos um pouco por lá e depois saímos para encontrar o pessoal do nosso Food on foot.

IMG_0240 IMG_0241 IMG_0245 IMG_0247 IMG_0250 IMG_0254

Fizemos o check in com o guia e fomos para o outro lado da rua esperar no local combinado. O guia, um senhor gorducho e super animado, apareceu depois de um tempo para dar as explicações iniciais. Enquanto ele explicava, teve que atender um casal de “atrasados” uma três vezes e pelo comportamento dele posso dizer que ele não é muito fã de quem atrasa, rs.

O guia é também um pouco maluco: o tour dele é no East Village, o ponto de encontro em frente a Grand Central. O grupo tem umas 40 pessoas. E ele colocou as 40 dentro de vários vagões do metrô! Uma doidera, hahaha. Na estação em que devíamos descer (ele nos informou qual) ele fez uma chamada para conferir se estávamos todos lá. Sim, chamada, como a que os professores fazem com seus alunos. E sim, estávamos todos lá.

A primeira parada foi em um restaurante chamado Vanessa’s Dumpling. Comemos um “dumpling”, uma massinha sem graça com um recheio mais sem graça ainda. A segunda parada foi em uma pizzaria: Artichoke’s. O Felipe pegou uma fatia de pizza marguerita, a fatia era imensa e a pizza estava uma delícia! De lá seguimos para o Porchetta. Comemos um sanduíche de pernil e o Felipe gostou tanto que acabamos voltando lá em outro dia e levamos um desses para casa. A quarta parada – e a melhor de todas – foi em um lugar chamado Butter Lane. Os melhores cupcakes da vida! Tanto que também voltamos lá, mas dessa vez por minha causa, rs. Na sequência comemos um cachorro-quente também meio sem graça no Crift Dogs. E por fim, uma parada em um lugar que não lembro o nome – e não tiramos foto para ajudar – para mais doces: experimentamos o famoso cannoli, e também não achamos muita coisa.

IMG_0256 IMG_0257 IMG_0266 IMG_0267 IMG_0268

No fim do tour, o guia estava disponível para “dicas de como voltar para o seu hotel”. Descobrimos que estávamos mais ou menos perto do apartamento e resolvemos voltar à pé.

Alguns minutos de descanso básico e mais uma viagem de metro sentido uptown. Paramos na estação “42 Bryant Park” e caminhamos algumas quadras até a entrada do Circle Line Cruises. Pegamos nossos ingressos para o cruzeiro que começava as 19h e fomos para o Intrepid Air and Space Museum, que ficava ao lado.

Um dos museus que o Felipe mais gostou, com certeza. E acho que eu também, rs. O museu fica em um antigo porta-aviões, têm vários aviões, helicópteros e a nave espacial Enterprise.

IMG_0275 IMG_0277 IMG_0279 IMG_0282 IMG_0286 IMG_0288 IMG_0290 IMG_0297 IMG_0300 IMG_0302 IMG_0303 IMG_0308

O museu fechava às 18h, nosso cruzeiro era às 19h. Entre uma coisa e outra resolvemos matar tempo na praça que fica em frente ao museu. Pegamos comida (batata frita e água, na verdade) no restaurante e ficamos sentados em uma mesinha aproveitando o sol. Ao lado da praça do restaurante tinha um espaço para animais de estimação, com uma piscina cheia de água para eles beberem. Vários cachorros brincando nesse espaço e alguns deitados embaixo das mesas da praça do restaurante.

IMG_0313IMG_0312

Embarcamos no cruzeiro pouco antes das 19h. Não conseguimos lugar na ponta do barco, mas no fim foi uma boa coisa, já que esfriou muito quando anoiteceu. O cruzeiro que escolhemos, Harbor Lights Cruise, sai do Píer 83, contorna o sul de Manhattan, passa pela Ponte do Brooklyn e retorna pelo mesmo caminho. Como começa às 19h, a primeira parte da viagem é feita no horário do pôr-do-sol. Lindo, lindo, lindo! Essa primeira parte foi uma delícia, um calorzinho de fim de tarde e um pôr-do-sol maravilhoso. Da metade do caminho em diante, um frio de bater o queixo! Como vocês podem ver nas fotos do passeio pelo Intrepid, estava calor nesse dia, tanto que eu estava com uma blusa de alça! À noite, o casaquinho básico e o lenço que eu levei na mochila quase não deram conta do recado! Muito frio e, principalmente, muito vento! A vantagem é que a parte aberta do barco esvaziou e o Felipe conseguiu algumas fotos, hehe.

Segundo o Felipe, se você tiver que escolher apenas uma coisa para fazer em NYC, escolha um cruzeiro como esse, assim você pode, mesmo que de longe, ver toda a paisagem de Manhattan 🙂

IMG_0318 IMG_0323 IMG_0324 IMG_0336 IMG_0342 IMG_0350 IMG_0354 IMG_0357 IMG_0362 IMG_0373 IMG_0374 IMG_0376 IMG_0378 IMG_0381 IMG_0384 IMG_0386 IMG_0394 IMG_0396

Saímos do Cruzeiro sem planos para o jantar e essa foi a primeira discussão em NYC, hahaha! Eu estava sem ânimo para comer no centro, minha ideia era passar no Mc Donalds que ficava a uma quadra do apartamento e pegar algo para comer em casa. O Felipe não queria Mc Donalds por nada no mundo. Mas, como todas as discussões aqui de casa quem ganha sou eu, foi isso que fizemos 🙂

Comemos um sanduíche de frango, que achei bem gostoso, com batatas fritas. Depois do lanche, mais um pouco de “whats” com a família e um soninho merecido!

Férias em NYC – Day 03

O terceiro dia do cronograma começava com a Estátua da Liberdade, continuava com um passeio em Wall Street emendado com uma visita ao Memorial do 11 de Setembro e acabava com um passeio pelo SoHo. Bom, na prática foi quase isso.

Acordamos cedo e pegamos o metrô da linha J no sentido “downtown”. Achamos uma Starbucks para mais um chocolate quente, desta vez com bagel na manteiga. Estava um frio de rachar (literalmente no caso dos meus lábios), por isso saímos com o chocolate quente em mãos na tentativa de nos manter aquecidos.

IMG_0055

Chegamos ao Battery Park, onde fica a bilheteria da Estátua da Liberdade e achamos estranho porque não vimos mais ninguém por lá. “Será que está frio demais para os turistas?” foi um pensamento que passou rápido pela cabeça, mas logo descobrimos o porquê do vazio: nós estávamos de um lado da bilheteria, os outros estavam do outro lado 🙂

Pegamos os ingressos e fomos para a balsa. Antes, claro, uma passagem pela área de segurança. Uma fila básica (básica mesmo, não ficamos muito tempo nela) e um esquema de segurança de aeroporto.

Ajeitamo-nos na barca e esperamos o resto do povo fazer o mesmo para que pudéssemos partir. Encontramos dois brasileiros, um de Curitiba e uma do Rio de Janeiro e já nos enturmamos (ou melhor, eles “se enturmaram” com a gente, rs). A viagem foi curta, com direito a muito frio, algumas “balançadas” e uma neblina básica.

IMG_0058 IMG_0059 IMG_0061 IMG_0065 IMG_0068 IMG_0071

Chegamos à Liberty Island, conversamos um pouco com os novos amigos e fomos até o pedestal da estátua. Como os amigos não tinham ingressos para o pedestal, perdemos eles de vista. Subimos para o pedestal – de elevador porque meu joelho estava em nada nesse dia – para apreciar a vista “da neblina de Manhattan” e “da neblina do Brooklyn”, nas palavras do nosso ascensorista.

Estava um frio daqueles bem gelados, mas nada que um bom curitibano (de nascença como o Felipe ou adotada como eu) não pudesse suportar. Tiramos algumas fotos da vista do pedestal e fomos ao museu da estátua. No lobby do pedestal está a tocha original, que foi substituída em uma restauração nos anos 1980. O Liberty Island Museum conta a história da estátua e explica como cada parte foi confeccionada.

IMG_0073 IMG_0118 IMG_0123 IMG_0126 IMG_0128 IMG_0136 IMG_0137 IMG_0139

Saindo do Museu, pegamos a barca rumo a Ellis Island. A ideia era descer e conhecer o Museu da Imigração, mas passei muito mal na saída da barca. Descemos apenas para que eu pudesse ir até o banheiro e já pegamos a barca de volta para o Battery Park.

IMG_9373

De lá seguimos para o restaurante escolhido para o almoço: Adrienne’s Pizza Bar. O restaurante não é muito largo, mas ganha espaço no comprimento. Chegamos, pedimos uma mesa e logo conseguimos. Pedimos uma pizza tradicional (queijo, massa e molho) porque estávamos com pressa (tínhamos o tour agendando do Wall Street Walks). A pizza era enorme, metade dela foi para uma caixa que carregamos na mochila durante todo o tour por Wall Street, e depois ela virou a janta (a pizza, não a caixa).

IMG_0151

Chegamos no local do Wall Street Walks na hora marcada e esperamos um pouco até que todo o pessoal se juntasse. O tour começa em frente ao número 55 da Wall Street e passa pelos principais pontos da região. Conforme passávamos pelos lugares, o guia nos dava explicações sobre a história do lugar. O ponto negativo de um tour como esse é que não dá tempo de tirar muitas fotos, enquanto o guia fala você quer prestar atenção, quando ele para de falar já vai correndo (ou quase) para o próximo ponto. Tanto que passamos pelo Charging Bull, atravessamos a rua para ouvir a explicação do guia sobre ele e ficamos sem foto! Mas tudo bem, não se desesperem, voltamos lá em outro dia para encostar no touro com a intenção de ficar ricos!

IMG_0157 IMG_0158 IMG_0161 IMG_0164 IMG_9379

O tour acaba em frente ao 9/11 Memorial. Foi só atravessar a rua para encontrarmos as “piscinas” do memorial, a “survivor tree” e o 9/11 Memorial Museum. As piscinas, com cachoeiras que caem em um “buraco sem fundo” têm nas bordas o nome de todas as vítimas do atentado de 11 de setembro de 2001.

IMG_0174 IMG_9407 IMG_9410 IMG_9411

Ficamos ali por um tempo e quando decidimos entrar no museu nos demos conta de que estávamos sem um dos cartões do The NY Pass. Pense em uma pessoa que ficou estressada com isso! (e já adianto, não fui eu). Fizemos o caminho de volta passando pelos mesmos pontos do tour para ver se encontrávamos o cartão perdido, mas não tivemos sorte. No local do início do tour, último local em que usamos o cartão, não tinha mais ninguém. Voltamos para casa para procurar na internet dicas do que fazer em caso de perda do cartão, mas a perspectiva não era muito boa: segundo o site, eles não podem trocar o cartão perdido por outro. Mesmo sabendo que a chance era pequena, voltamos ao “gray line New York visitor center”, na 8ª Avenida, e contamos nossa triste história: alguém havia furtado nosso cartão sem que nós percebêssemos. No fim deu tudo certo: eles cancelaram o cartão perdido e nos deram um novo. Yeay!

Saímos de lá com outro ânimo e decidimos aproveitar para passar no Top of the Rock. Ok, mentira, eu estava com outro ânimo. O Felipe estava morrendo de dor de cabeça e me fez parar em uma farmácia para comprar tylenol.

Chegando do Top of the Rock, enfrentamos uma pequena (bem pequena mesmo) fila e conseguimos ingressos para as 19h20. Pois é, demos sorte porque era esse o horário que eu queria 🙂

Como faltava ainda um tempo para dar o horário, fomos até a Starbucks para o tradicional chocolate quente. Ok, na verdade nós gostamos mesmo é do wifi deles, hahaha.

Não pegamos muita fila para subir ao Top of the Rock (na verdade, não pegamos muita fila em nada do que fizemos em NYC). A vista lá de cima é sensacional! Achei melhor que a do Empire State, até porque o Empire State faz parte da vista do Top of the Rock, mas não faz parte da vista dele mesmo, rs.

IMG_0182 IMG_0225 IMG_0227 IMG_0233 IMG_9412 IMG_9413 IMG_9414 IMG_9416 IMG_9418

Voltamos para casa não muito tarde nesse dia, comemos nosso resto de pizza do Adrienne’s e mais uma vez pegamos no sono pesado.

Férias em NYC – Day 02

Acordamos antes das 8h, nos ajeitamos e saímos para cumprir a nossa programação. Antes de tudo, uma passadinha na Starbucks para um chocolate quente e um croissant de manteiga. De lá, mais uma passada na Apple Store da 5ª Avenida (culpa do Felipe).

IMG_9233 IMG_9236 IMG_9272

A ideia inicial era fazer um passeio de bicicleta pelo Central Park (ahã, senta lá Cláudia), mas decidimos fazer o passeio a pé mesmo. Andamos pelo lado leste do parque, passando pela entrada do Central Park Zoo, pela estátua do Hans Christian Andersen e pelo monumento Alice in Wonderland. Sentamos em um banco e aproveitamos a vista por um tempo.

IMG_9272 IMG_9239 IMG_9245 IMG_9247 IMG_9251 IMG_9263 IMG_9265 IMG_9269 IMG_9270

Apesar de já estarmos na primavera, a maioria das árvores da cidade ainda estava “nos galhos”, apenas uma ou outra árvore florida aparecia pelo caminho. Mas, mesmo assim, com pouco verde e poucas flores, a vista do Central Park é maravilhosa.

Continuamos o passeio por dentro do parque e paramos para observar um grupo de crianças fazendo jardinagem. A bagunça estava rolando solta 🙂

Passamos por trás do Metropolitan Museum of Art e, já que estávamos perto, resolvemos entrar. A princípio, o MET estava em nosso sexto dia de passeio (sim, eu fiz um cronograma detalhado de dias e horários), mas adiantamos a visita pela comodidade. A entrada do MET é super bonita: duas fontes, uma de cada lado e a escadaria da entrada no meio. Em frente ao museu, muitos carrinhos de comida soltando fumaça e cheirando à gordura.

Andamos pelo museu boa parte da manhã, passando pelas alas de arte greco-romana, artes da África, Oceania e Américas, escultura européia e arte medieval (e provavelmente outras mais que eu não lembro). Pode até não parecer muita coisa, mas cada ala é imensa e cheia de coisas para ver. Depois de muita andança, já estávamos cansados e com fome, mas determinados a não sair do museu sem passar pela ala de armaduras e pela ala egípcia, que nós ainda não havíamos encontrado (sim, nos perdemos no museu).

Com a ajuda do mapa, conseguimos nos encontrar novamente. Ok, a verdade é que estávamos praticamente andando em círculos, quando deveríamos estar andando em frente. Ala de armas e armaduras encontrada, fotos garantidas, hora de comer. Subimos até a ala de instrumentos musicais e saímos no andar de cima da ala americana. De lá, avistamos um café e não tivemos dúvida: vamos comer por aqui mesmo. Descemos, enfrentamos a fila e pedimos dois sanduíches de nome “American Heroe”. Com o estômago abastecido, voltamos a passear pelo museu e demos de cara com a ala egípcia: escultura de deuses, esfinges, sarcófagos, múmias e um templo bem bacana. Tiramos as últimas fotos, nos despedimos do museu e voltamos para o Central Park.

IMG_9307 IMG_9274 IMG_9278 IMG_9291 IMG_9294 IMG_9297

Decidimos cruzar o Central Park na volta para aproveitar um pouco mais da vista. Andamos, andamos, andamos, andamos, andamos, andamos, andamos mais um pouco e chegamos ao Belvedere Castle. O cansaço era grande, apenas passamos por ele, tiramos umas poucas fotos e seguimos rumo a Bow Brigde. Várias placas no caminho avisavam que a ponte estaria em reforma, e ela estava. Mas uma reforma pequena que não impedia a passagem, apenas atrapalhava as fotos, rs. De lá, seguimos para a Bethesda Fountain, cenário de vários filmes e seriados. Tentamos algumas fotos por lá, mas sem pau de selfie a coisa não foi fácil.

IMG_9313 IMG_9314 IMG_9321 IMG_9324 IMG_9326 IMG_9330

Continuamos nossa caminhada no Central Park, agora procurando desesperadamente pela saída, pois estávamos cansados, com o corpo dolorido de tanto andar e sonhando com a cama do apartamento.

Depois de mais uma vida andando, achamos a saída, pegamos o metrô na 57th Street e aproveitamos para dar uma descansada básica de meia hora no apartamento.

Saímos de lá perto das 16h para dar continuidade ao nosso itinerário: Top of the Rock, Madame Toussands, Discovery Times Square e jantar no Planet Hollywood.

Invertemos a ordem dos locais porque eu decidi que queria ir ao Top of the Rock no final da tarde para pegar o pôr-do-sol. Começamos, então, com o Madame Toussands. O Felipe não estava muito animado para ir até lá, e acho que se perguntarem hoje ele vai dizer que esse é dos lugares que ele cortaria da lista, mas eu gostei. Saí de lá meio confusa, achando que os bonecos de cera pareciam pessoas e que as pessoas pareciam bonecos de cera.

IMG_0041 IMG_0005 IMG_0007 IMG_0015 IMG_0018 IMG_0024

A próxima parada foi no Discovery Times Square. Eles estavam com duas exibições: Marvels Avengers S.T.A.T.I.O.N e Body Worlds. Adivinha qual nós escolhemos?

Ganhamos cartão de agende secreto da S.H.I.E.L.D., andamos por laboratórios, acessamos informações secretas (haha) e tiramos a foto mais tosca de toda a viagem. Ou melhor, tiraram a foto mais tosca da gente em toda a viagem.

Passeamos um pouco pela Times Square, entramos em algumas lojas (Toys R Us, Disney Store, M&M’s Store) e fomos para o Planet Hollywood porque a fome já estava grande. O restaurante é legal, o atendimento foi ótimo, mas a comida deixou a desejar.

IMG_9334 IMG_9337 IMG_9342 IMG_9345 IMG_0049 IMG_0051

Enquanto jantávamos nos demos conta de que havíamos esquecido completamente do Top of the Rock! Até poderíamos passar depois que saíssemos do restaurante, mas a canseira já estava grande e, como eu disse, eu queria ir no horário do pôr-do-sol.

Decidimos deixar para o dia seguinte mesmo. Terminamos de comer e pegamos o metrô de volta para casa na estação em frente ao Bryant Park (que nós ainda não sabíamos ser o Bryant Park). Antes de voltar para casa, uma passada básica na farmácia da esquina para comprar itens de necessidade básica (leia-se papel higiênico).

E o dia termina novamente com “chegamos em casa e desmaiamos”.

Férias em NYC – Day 01

IMG_9416

Saímos de Curitiba às 19h10 de terça-feira. Chegamos em São Paulo às 21h e esperamos até às 23h para embarcar para NYC.

Embarcamos, passamos pela classe executiva para despertar a inveja que existe em cada um de nós e fomos para nossos espaçosos assentos na classe econômica. (#sqn)

O jantar foi servido pouco depois da meia-noite. Comi, tomei um Dramin e tentei dormir. O Felipe ficou acordado assistindo um filme que eu não lembro o nome.

A viagem parece eterna: você cochila, acorda porque está mal posicionado, olha a hora, descobre que ainda falta uma vida para chegar e cochila de novo.

Chegamos no JFK às 8h, horário local (9h em Curitiba). Passamos pela fila quilométrica da imigração, fomos atendidos por um americano que não estava exatamente bem humorado, mas também não estava mal humorado, rs. Respondemos às perguntas básicas: motivo da viagem, tempo que vão ficar, local, parentesco, tempo que vão ficar (de novo – essa foi pegadinha do malandro) e por aí vai. Saímos de lá com o carimbo no passaporte, pegamos as malas e pronto.

Pronto o que? Para onde vamos agora? Como falamos com o rapaz do Airbnb? Aonde pegamos o Airbus? Pensa em um casal perdido já de cara, rs.

Mas no fim tudo deu certo: mandamos uma mensagem para o celular do rapaz do Airbnb e encontramos o local do Airbus (fácil, uma latina maluca gritava “Manhattan” a cada dois minutos). Entramos no ônibus com um motorista chinês “mais louco que o Lobão”. O inglês dele não era lá essas coisas, o que rendeu alguns diálogos engraçados dele com os passageiros. Uma vida depois chegamos à nossa estação: Penn Station. O chinês maluco parou o ônibus no meio da rua e nos pediu pra descer. Como tínhamos as malas para pegar, só dava ele gritando “hurry hurry” (ou rãri rãri na pronúncia do nosso amigo).

Malas em mãos, hora de pegar o metrô. Caminhamos da Penn Station até a 34 Herald Square Station e pegamos o metrô da linha F. No meio da viagem, entrou no metrô um trio de cantores. Algo do tipo “eu podia estar matando, podia estar roubando”, mas com música.

Chegamos ao apartamento que alugamos perto das 11h da manhã. O rapaz que ia nos encontrar havia acabado de chegar, ele nos levou até o apartamento e nos deu uma explicação básica:

“Este é o quarto, esta é a sala/cozinha, este é o banheiro. Evitamos usar o fogão, mas se quiserem usar lembrem-se de desligar. O aquecimento não é controlado no apartamento, se ficar quente o que vocês podem fazer é abrir a janela, se esfriar, fechem. Limpei a casa e troquei a roupa de cama, mas não deu tempo de deixar a segunda muda de roupa de cama e banho, tem uma lavanderia aqui perto se quiserem mandar lavar. Se eu não encontrar vocês no dia da saída, deixem a chave na caixa de correio e a chave da caixa de correio no batente da porta. Alguma pergunta?”.

A vontade foi responder “só uma, o que foi que você disse depois do este é o quarto?”. Mas tudo bem, a gente se vira, rs.

Descansamos alguns minutos no apartamento, trocamos mensagens com o grupo da família, mandamos as primeiras fotos de NYC e recebemos as fotos do Otávio (“óoooin”).

Saímos para nosso primeiro almoço em NYC. O lugar escolhido foi a Katz’s Delicatessen por duas razões: estava na lista de lugares para conhecer e ficava há menos de 05 minutos do apartamento. O Felipe comeu o tradicional sanduíche de pastrami e eu, bem menos corajosa quando o assunto é comida, me contentei com um queijo quente.

Escolhemos a opção de pegar a comida no balcão para ser mais rápido. Ficamos um pouco perdidos nos primeiros segundos, mas logo entendemos a lógica do lugar. Pelo menos conseguimos pedir o que havíamos planejado comer, sorte que o casal de brasileiros ao nosso lado não teve (a mulher não entendeu o inglês do balconista e acabou com um sanduíche estranho cheio de repolho. Pela cara dela, acho que não era essa a ideia).

Comemos, pagamos e rua 🙂

Na volta para o apartamento, passamos no Essex Street Market, demos uma volta no mercado e compramos 24 garrafas de água de 500ml por $7,99. Saímos de lá achando que tínhamos feito um bom negócio (a garrafa gelada estava $0,99), mas à noite descobrimos que na farmácia o preço era menor ($4,99). Voltamos para o apartamento, abastecemos a geladeira com água e saímos outra vez.

Pegamos o metrô da F outra vez, sentido “uptown” e paramos na 57th Street, há duas quadras do nosso primeiro destino: Apple Store. A loja estava lotada de vendedores, compradores e turistas. A fachada – com o box de vidro e a praça no entorno – é realmente muito bonita. Por dentro, ela não me pareceu muito diferente de lojas como a A2You (ai se o Felipe lê isso).

Saímos de lá para a FAO Schwarz, a loja do piano de chão do filme “Quero ser grande”. A loja é simplesmente maravilhosa! Andamos por um bom tempo dentro dela e passamos muita vontade de sair de lá com as sacolas cheias de brinquedos para o Otávio (e um ou outro para o Felipe e para mim, rs). Chegamos até o “big piano” e confesso aqui me decepcionei: ele não tem muita graça… Sim, eu sei que ele não é o piano original que apareceu no filme, mas ainda assim esperava um pouco mais 🙂

Apesar de não querer sair da loja nunca mais, tínhamos ainda muita coisa para ver na cidade. Andamos pela 5ª Avenida de olho nos prédios famosos e lojas de marca até chegarmos na St. Patrick’s Cathedral. Entramos (sim, o Felipe entrou na Igreja), mas ela estava em reforma, então não deu para ver muita coisa.

De lá fomos caminhando até o Rockfeller Center. Entramos na Lego Store que também estava na lista de lugares para conhecer e nos decepcionamos: a loja não tem o tamanho e nem a variedade de produtos que imaginávamos. Batemos algumas fotos em frente ao ringue de patinação e seguimos em busca de um lugar para comer. Andamos até a Starbucks na 8ª Avenida (com a rua 47), compramos bebidas geladas (um Valencia Orange e um Iced Lemon Tea) e aproveitamos o wifi para dar mais uma “papeada” com a família.

Saindo do café, paramos no “gray line New York visitor center”, na 8ª Avenida, para pegar o cartão do The NY Pass. Cartão em mãos, fomos em direção ao Madison Square Garden para assistir ao jogo do Knicks.

Chegamos cedo demais para o jogo, então resolvemos dar uma volta por ali. Fomos até a 34 Herald Square Station para ter uma noção exata do caminho que faríamos ao sair do jogo. Passamos em frente a Macy’s, mas deixamos para entrar outro dia. Voltamos ao estádio, o Felipe comprou uma camiseta e um dedo de espuma (sim, somos turistas) e entramos para ver o jogo. Lá dentro, o pessoal estava distribuindo bonés, comida e bebida de graça. Pois é, chegamos na “Fan Appreciation Night”.

Infelizmente, não aguentamos até o fim do jogo: o cansaço era tão grande que saímos no intervalo. Pegamos o metrô F, na 34 Herald Square Station novamente.

Chegamos em casa perto das 22h e desmaiamos.

IMG_9167 IMG_9169 IMG_9172 IMG_9180 IMG_9188 IMG_9194 IMG_9197 IMG_9199 IMG_9201 IMG_9211 IMG_9228